F5 Pelo Mundo

Acervo da casa de Hansen Bahia é restaurado pela primeira vez

Por Carla Santana

Exposição inédita de xilogravuras e matrizes restauradas marca a celebração dos 95 anos de nascimento do artista alemão

Se estivesse vivo, o artista plástico alemão Karl Heinz Hansen, ou Hansen Bahia, como é conhecido, completaria 95 anos de idade em abril. Para marcar a data, a Fundação Hansen Bahia realiza, entre os dias 23 de fevereiro e 3 de abril (de segunda a sexta-feira das 9h às 18h30 e aos sábados até às 13h), na galeria do Instituto Cultural Brasil-Alemanha (ICBA), uma exposição de xilogravuras e matrizes que compõem o acervo da casa em São Félix, interior da Bahia, onde o artista viveu os últimos anos de sua vida ao lado da esposa, Ilse Hansen.  As matrizes que serão apresentadas na Exposição Hansen Bahia 95 anos estavam integradas às paredes da casa localizada na Fazenda Santa Bárbara e faziam parte da intimidade do artista. “Todas foram restauradas pela primeira vez por meio de um investimento do governo alemão da ordem de R$ 85 mil”, conta a curadora da exposição, Lêda Deborah.
Esta é a segunda vez que o Governo Alemão patrocina investimentos na Fundação Hansen Bahia. Nos anos 90, também com a intervenção do consulado alemão, a Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil contribuiu com aquisição de computador, construção da reserva técnica de São Félix, restauro e emolduramento de obras para exposição. “Hansen e um artista impressionante e importante, um presença alemã forte na Bahia e a obra dele tem que ser preservada”, afirma o atual cônsul da Alemanha na Bahia, Hans Jürgen.
Segundo o diretor executivo do Goethe-Institut Salvador-Bahia, Ulrich Gmünder, o artista alemão que, ao radicar-se na Bahia, introduziu a xilogravura no Estado merece este novo apoio. “Para nós, é uma grande honra poder conservar a obra de Hansen. Esperamos que o público aproveite para conhecer melhor as obras dele”, declara Ulrich.
Para o artista conselheiro da Fundação Hansen Bahia, Justino Marinho, “a iniciativa do governo alemão foi bem vinda, porque a obra de Hansen tem um valor muito grande e marca um período importante das artes baianas. Vale destacar que além dos trabalhos de Hansen foram restauradas obras de outros artistas importantes como Carybé, Mario Cravo, Genaro e outros, que fazem parte do acervo deixado pelo gravador”, declara.De acordo com o restaurador das matrizes, José Dirson Argolo, o estado de conservação das 22 peças estava muito comprometido. “Nem sempre o artista se preocupa com a manutenção de sua arte. Hansen, por exemplo, utilizou materiais como compensado, que não resiste ao ataque de cupins e infiltrações. Por isso, o processo de preservação é necessário e, neste caso, demandou um trabalho árduo que realizamos em 10 meses”.

Limão: Matriz de xilogragura de Hansen Bahia restaurada por José Dirson

Tudo novo

O restaurador João Magalhães foi o responsável pelo “conserto” de 56 xilogravuras, sendo 27 da coleção “Navio Negreiro” e 15 da “Via Crucis do Pelourinho”. Entre as demais gravuras restauradas estão “O diálogo das héteras”, “Portas e janelas”, “Cangaceiro a cavalo”, “Vaqueiro laçador”, “Grande Candomblé”, “Forte de São Marcelo”, “Flor de São Miguel”, “Amigas em vermelho”, “Boi caído” e “Amigas no banho”.  Outras obras de Hansen restauradas foram “Limão”, “Noé e as pessoas que oravam na popa da arca”, “Batalha das Amazonas”, “São Miguel”, “O cavaleiro, a morte e o diabo” e “Aniversário de Ilse”.

Nem todas as obras restauradas estarão no ICBA durante a exposição que começa logo depois do Carnaval, apenas as de autoria de Hansen Bahia que puderam ser retiradas da casa, já que algumas não puderam ser removidas por estarem profundamente embutidas em paredes. Estas serão restauradas in loco na última semana de janeiro. Todas as obras restauradas, porém, continuarão fazendo parte do acervo da casa e poderão ser vistas na cidade de São Félix a partir de abril.

Restauração das matrizes

Segundo José Dirson, o processo de restauração das matrizes começou com uma limpeza superficial. Depois, a camada pictórica sofreu um faceamento (proteção com papel japonês e um tecido fino). Só então os carpinteiros escavaram as paredes em volta das peças que foram retiradas e embaladas em plástico bolha e espuma de nylon. A madeira passou por um consolidamento, ou seja, teve sua parte carcomida substituída por compensado naval de cedro previamente imunizado. Após a reintegração cromática e os retoques feitos com tintas importadas exclusivas para restauração (mameri), as obras receberam um verniz protetor e molduras de cedro.

Restauração das xilogravuras

O restaurador das xilogravuras, João Magalhães, conta que “após a limpeza a seco para tirar gordura, foram retiradas as fitas adesivas e emendas de papel. Depois, as xilogravuras foram lavadas em solução de água deionizada com hipoclorito e depois só com água. O molho durou cerca de 50 minutos. Após serem retiradas da água e secadas parcialmente, as gravuras foram inseridas numa base de cola de celulose. O papel ainda úmido foi prensado com camadas de papel mataborrão para não ondular. Essas camadas foram acrescentadas em tempos espaçados de até 24 horas durante uma semana. Só depois desse tempo foram feitos a obturação de lacunas de papel (com cola de celulose), o reforço do papel e os retoques de tinta, quando necessários”.

Fundação Hansen Bahia

Instituição cultural e educativa sem fins lucrativos destinada a colaborar no fomento da produção cultural do recôncavo baiano, o Museu Hansen Bahia foi inaugurado no dia 19 de abril de 1978, dois anos após o generoso gesto de Hansen Bahia de doar seu acervo e criar a Fundação. Segundo o coordenador executivo da Fundação, Raimundo Vidal, há 34 anos de existência a fundação assegura a preservação da obra de Hansen Bahia e desenvolve exposições com visitas monitoradas, tanto no Museu em Cachoeira – que em breve terá sua sede própria – quanto na Casa dos Hansen, onde está o Memorial Póstumo em São Félix, além de realizar exposições temporárias em outras cidades.
“A Fundação possui aproximadamente 12 mil peças do artista alemão, mil de Ilse Hansen, além de muitas outras assinadas por outros artistas. No total, são mais de 13 mil obras de arte. Somando-as aos objetos (mobiliário,instrumentos e acessórios, dentre outros), o acervo total do museu está estimado em 18 mil peças”, afirma.“A Fundação-Museu Hansen Bahia sempre contou com apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia. Através de convênios com o Estado, o Museu vem garantindo o seu funcionamento e a preservação do seu acervo”, destaca o coordenador executivo da Fundação, Raimundo Vidal.

Hansen Bahia

Karl Heinz Hansen nasceu em 19 de abril de 1915, em Hamburgo, Alemanha. Foi marinheiro, escultor, poeta, escritor, cineasta, pintor e xilógrafo. Seus primeiros trabalhos artísticos surgiram no início dos anos 40. O homem foi o seu grande tema e a xilogravura – arte tradicional no seu país – a técnica mais utilizada.
O período de iniciação artística coincidiu com o desenvolvimento da gravura alemã e com o começo de vários movimentos artísticos importantes na Europa, a exemplo do expressionismo, ao qual foi fiel em toda sua produção. Autodidata na técnica que lhe garantiu sucesso internacional, Hansen talhava a madeira com precisão e perfeição partilhada por poucos.Em 1950, deixou a Alemanha e veio conhecer o Brasil. Em São Paulo, trabalhou como artista gráfico na editora Melhoramentos. Cinco anos mais tarde, mudou-se para a Bahia, onde viveu e produziu intensamente. A paixão pelo estado fez com que o primoroso gravador, depois de conquistar reconhecimento internacional, incorporasse o nome da terra e assumisse a assinatura Hansen Bahia. “Antes de vir para a Bahia era só marinheiro. Quando aqui cheguei, nasci pela segunda vez e tornei-me artista”, declarou em vida.Amante da nova terra, Hansen Bahia não se contentou apenas em naturalizar-se brasileiro. Doou à Bahia, especificamente à cidade de Cachoeira, as obras relevantes do seu acervo e criou a Fundação Hansen Bahia, através de testamento, em abril de 1976. Apenas dois meses depois de inaugurar a primeira sede da fundação, o artista faleceu no dia 14 de junho de 1978, deixando para a Bahia o seu legado mais valioso: um enorme acervo de obras de arte e trinta livros publicados.

Anúncios

19/01/2010 Posted by | Cultura | | 3 comentários

Valor nutritivo de pratos típicos da Chapada Diamantina

Por Carla Santana

 

Chapada_diamantina

A culinária da Chapada Diamantina segue os traços históricos do lugar, por meio de uma junção das influências de escravos e garimpeiros que viveram por lá nos séculos XVII e XVIII, respectivamente. Um dos pratos mais tradicionais é a galinha ao molho pardo, feita com o sangue da própria ave, além da carne-de-sol. Os acompanhamentos ficam por conta do arroz com pequi e ensopado de carne-seca com banana verde, além de uma combinação de banana da terra com abóboras e feijão verde. “De modo geral, são comidas que repõem todas as energias gastas nas visitas e atividades físicas realizadas por turistas que visitam o lugar”, afirma a conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas da 5ª Região (CRN-5), Ana Paula Passos.

Feijão verde

O feijão verde combinado com abóbora e banana da terra é tradição

Segundo a nutricionista, o sangue das aves contém pouquíssimos nutrientes importantes para humanos, servindo basicamente para dar o sabor à galinha ao molho pardo. O prato tem um alto teor de gordura, por isso é melhor não exagerar. “Para evitar a ingestão de impurezas, é preciso cozinhar bem a ave”, diz. A carne do sol, rica em proteína, pode ser mais saudável se for assada, ao invés de frita.  O feijão verde não é mais do que a vagem do feijão seco, colhida antes do desenvolvimento das sementes. Além de ser rico em ferro, ele protege o sistema cardiovascular, devido ao seu elevado conteúdo de fibra, potássio, magnésio e ácido fólico.

Como as temperaturas da região da Chapada são baixas de abril a novembro, os habitantes não têm muito costume de comer saladas frias. Ainda bem que como fonte de fibras, eles consomem mamão verde e o famoso godó, prato que mistura banana e abóbora e que “sozinho serve como uma boa refeição, sem precisar de acompanhamento”, garante Ana Paula. A abóbora também é fonte de fibras, embora seu valor nutricional seja maior pela grande quantidade de Vitamina A e betacaroteno contidas na hortaliça.

Pequi: rica em vitaminas

Anatomia do Pequi

O Pequi, fruta típica do cerrado brasileiro, de cheiro forte e adocicado e casca verde-escuro, tem várias camadas internas. Primeiro há uma polpa verde-claro com a consistência de um abacate, que não é aproveitada pelas receitas. Dentro dela está a melhor parte: uma semente amarela cuja consistência, cor e até mesmo o cheiro lembram a manga. É justamente essa parte do pequi que vai para a panela. Mas é preciso ter cuidado ao saboreá-lo: o caroço, bem macio, não deve ser mordido, mas sim raspado com os dentes, pois dentro dele há vários espinhos que podem ferir.

 O alimento é considerado pelos moradores da Chapada afrodisíaco para os homens e fortificante para as mulheres grávidas. Essa segunda qualidade pode ser verídica devido à alta quantidade de vitamina A do pequi, já que 100 gramas de polpa comestível de pequi contém 20 mil miligramas de vitamina A, 12 mg de Vitamina C, 30 mg de vitamina B, 463 mg de riboflavina e 387mg de niacina. Toda a população pobre da região ocupada pelo pequi, de setembro a dezembro, consome o fruto em boa quantidade, com arroz, carnes, angu e em sopa, doces e na cachaça.

 Frutas cítricas

A Chapada é uma região muito propícia para o cultivo de frutas cítricas. Um exemplo é a tangerina “Ponkan”, rica em vitamina C e de qualidade superior a das desenvolvidas em outras lugares do país. Outro fruto pouco conhecido nos grandes centros urbanos e muito comum na região é a mangaba, rica em vitamina A, B1, B2, B3 e Vitamina C. É eficaz contra úlcera, herpes e tuberculose; tem ação digestiva; contém fibras, carboidratos, cálcio, ferro e fósforo. “A mangaba ajuda também a prevenir a cegueira e oferece benefícios para a pele e o cabelo”, conta a conselheira do CRN-5, Ana Paula Passos.

O gosto da mangaba é bem diferente para turistas de primeira viagem

O gosto da mangaba é bem diferente para turistas de primeira viagem

Ainda segundo a nutricionista, são vários os motivos para comer muitas frutas e vegetais, seja na Chapada ou em qualquer outro lugar. Alimentos de origem vegetal ajudam a diminuir a gordura na dieta, controlam o peso corporal e combatem doenças. “Vivemos hoje como se estivéssemos retrocedendo no tempo e buscando hábitos de vida que tinham nossos antepassados. É como se quiséssemos viver e nos alimentar como faziam nossos avós. Tudo isso em nome na qualidade de vida”, conclui.

19/08/2009 Posted by | Cultura, Saúde, Turismo | | 3 comentários

Pele ressecada e frieira nos pés são marcas do inverno no corpo

Umidade nos pés pode causar frieiras

Umidade nos pés calçados pode causar frieiras

O inverno provoca mudanças em diversos aspectos da vida e dos hábitos dos baianos. Uma das primeiras a reagir ao tempo frio e úmido é a pele que, diante das variações térmicas, costuma ficar ressecada, sem brilho e com uma textura mais áspera do que o normal. Outro vilão desse período, especialmente na Bahia onde os índices de chuva aumentam muito, são as frieiras, micose superficial e a mais comum infecção de pele causada por fungos que se desenvolvem em ambientes úmidos, causados principalmente pelo uso freqüente de calçados fechados e meias grossas. Se, por um lado, uma boa hidratação da pele pode evitar seu ressecamento, por outro cuidados como enxugar bem os pés previne as frieiras. “Casos mais graves da infecção devem ser tratados com orientação médica”, aconselha a médica diretora da Cliderme, Denise Matos.

O ressecamento da pele no inverno atinge peles normais, mistas, secas ou oleosas. As partes mais afetadas são mãos, cotovelos, joelhos e pés. A hidratação é a melhor forma de evitar o problema. O hidratante deve ser aplicado de duas a três vezes por dia, de preferência após o banho, quando ainda há umidade na superfície da pele, facilitando a absorção do creme. “Mesmo com as novas fórmulas oferecidas pela biotecnologia nos dias atuais, não se deve desprezar a ação dos hidratantes clássicos na dermatologia, que mimetizam o fator de hidratação natural da pele e são compostos por agentes iguais aos que a nossa pele produz, tais como uréia, lactato de amônio e aminoácidos”, explica a dermatologista.

Para o médico da Cliderme Fabrício Almeida, outra dica importante é combinar ativos de oclusão (lubrificantes, como óleo de amêndoas e de semente de uva) e umectação (retêm a umidade na superfície). “Todos esses ingredientes reforçam a ação do hidratante principal ou mais ativo da fórmula, aumentando o tempo e a qualidade de ação”, explica.

Para quem luta contra a oleosidade do rosto e tem medo de apostar na hidratação, existem hidratantes faciais que são oil-free, ou seja, hidratam sem excesso de óleo e com componentes que não provocam acne ou oleosidade extra. Nas áreas mais ressecadas, é recomendado aplicar camadas mais generosas de hidratante na forma de gel creme ou pomada. De acordo com o médico, a hidratação do corpo, onde existem menos glândulas sebáceas, deve ser mais intensa do que a do rosto. “Mesmo durante o inverno não se pode esquecer de utilizar protetores solares fator 15. Mesmo nesta estação estamos sujeitos aos raios solares prejudiciais à saúde.”, destaca. 

 

Frieiras

 

As frieiras podem atacar a pele de várias partes do corpo, provocando manchas vermelhas e arredondadas, com descamação, que coçam e se caracterizam pelo ardor. É uma doença mais comumente detectada nos pés de adultos, embora se tenha notado aumento na infância nos últimos anos. Para Denise Matos, “o problema pode ser curado facilmente, se for descoberto logo. Quando a pessoa demora a tratar, a infecção pode evoluir formando uma casca fofa sobre a pele ou até mesmo uma rachadura bem dolorosa entre os dedos. Nos casos graves a infecção se espalha, atingindo unhas e a sola do pé, exigindo ajuda médica”, diz a dermatologista.

Para evitar frieiras, a médica recomenda manter a higienização diária com água e sabão, enxugar entre os dedos com papel toalha, usar meias de algodão e trocá-las todos os dias. Além disso, é melhor usar chinelos quando for necessária a utilização de banheiros e vestuários de clubes, academias e escolas. “A pessoa com frieira não deve aplicar talcos ou cremes antifúngicos por conta própria. Alguns desses produtos não surtem o efeito que prometem. O melhor é procurar um dermatologista para orientar o tratamento”, conclui a médica.

Os cuidados com a hidratação da pele devem ser intensificados na estação mais fria do ano

Os cuidados com a hidratação da pele devem ser intensificados na estação mais fria do ano

16/06/2009 Posted by | Saúde | | 2 comentários

Nutrição Funcional revela influência dos nutrientes no desenvolvimento de doenças

Ciência trabalha com equilíbrio de micronutrientes e uso de alimentos funcionais e fitoterápicos

Por Carla Santana

A alimentação saudável e adequada tem o poder de curar doenças

Alimentação saudável é sempre a melhor escolha

Prevenir e tratar desordens crônicas complexas através da detecção e correção dos desequilíbrios que geram doenças. Este é o papel da Nutrição Funcional (NF), ciência que considera a interação entre todos os sistemas do corpo, incluindo as relações que existem entre o funcionamento físico e aspectos emocionais. A “novidade” trabalha principalmente com os sinais e sintomas apresentados pelo paciente, equilíbrio de macronutrientes e, principalmente, micronutrientes, uso de alimentos funcionais, fitoterápicos e a prescrição de suplementação ou complementação desses, a depender de cada caso. Além disso, leva em consideração a influência genética e acredita, como mostram os estudos mais recentes, que os nutrientes têm total influência sobre a expressão dos genes. “O mais surpreendente dessa ciência é a possibilidade de lidar com as expressões genéticas que podem levar a doenças, inibindo-as”, destaca a representante do Conselho Regional de Nutricionistas (5ª Região – CRN-5) no Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), Edilene Araújo.

O desequilíbrio de nutrientes pode gerar muitas enfermidades. “Há muito tempo nossa preocupação era com os macronutrientes e suas quilocalorias. Hoje, com o resgate do conhecimento que já possuíamos, percebemos que a falta ou excesso de micronutrientes podem levar à alteração da homeostase orgânica (propriedade dos seres vivos de regular o seu ambiente para manter uma condição estável, mediante ajustes de equilíbrio). Nesse sentido a utilização da NF complementando ou suplementando uma dieta pode prevenir, melhorar ou até resolver muitas alterações”, aponta Edilene Araújo.

 Um exemplo que a nutricionista do CFN tem acompanhado em seu consultório é o de pacientes que a procuram para resolver a hipercolesterolemia (presença de quantidades de colesterol acima do normal no sangue). Com o uso de alguns nutrientes como fibra solúvel, ômega 3 e os fitoquímicos do alho, ela consegue resolver os casos desse distúrbio sem uso de medicamentos. “Isso é um avanço na nutrição porque agora não só aprendemos sobre isso, mas praticamos, acreditamos e colhemos excelentes resultados”, destaca. 

Para o nutricionista conselheiro do CRN-5, Vanilson Silva, conhecer o assunto pode mudar a vida de quem adere a uma alimentação nos moldes da Nutrição Funcional. “Conheço pessoas que tinham rinite alérgica e que se curaram, pessoas que melhoraram e muito a celulite e pessoas que resolveram problemas de prisão de ventre, antes controlado apenas com o uso de medicamentos”, conta.

Os desequilíbrios tratados através da NF ocorrem devido à inadequação da qualidade da alimentação, do ar que respiramos, da água que bebemos, dos exercícios (a mais ou a menos) e alterações emocionais que passamos. Estas “inadequações” são consideradas de acordo com a individualidade genética que ocorre em cada pessoa. Por exemplo: enquanto um indivíduo é alérgico a camarão o outro não é. Enquanto para um o café pode gerar dor de cabeça e insônia, para outro não. Enquanto um necessita de mais zinco (ex: 25mg) para produzir ácido suficiente em seu estômago, o outro precisa de menos (ex.: 10mg). Enquanto um precisa de mais ômega 3 para manter os triglicerídeos e o HDL em níveis adequados, o outro precisa de menos.

De acordo com Edilene Araújo, o termo funcional é relativamente novo, surgiu em 1920, quando se iniciaram as primeiras discussões sobre os alimentos funcionais e nutracêuticos. “Já a abordagem não é nova. Remonta há muitos séculos (2500 anos AC, com Hipócrates) quando o homem era analisado como um ser total e único em todos os sentidos”, diz. Ela ressalta que alimento funcional não é a mesma coisa que nutrição funcional. “Ele é objeto de estudo de uma ciência (NF) em que o paciente é visto como ser integral, bioquimicamente individualizado e como tal, deve ser avaliado em todos os seus sinais e sintomas e não apenas como portador de uma doença”, conclui.

04/06/2009 Posted by | Uncategorized | | 1 Comentário

Quem é quem no mundo das vendas?

Por Carla Santana

 

Fechar negócio é o grande desafio para qualquer vendedor

Fechar negócio é o grande desafio para qualquer vendedor

Para responder a esta pergunta, é preciso considerar características como empatia, capacidade de persuasão, orientação para o atendimento, cautela e determinação

 Para ser um bom vendedor, seja de um produto ou de um serviço, é preciso ser empático, ou seja, ter a capacidade de perceber e entender as necessidades do cliente e em seguida oferecer soluções adequadas. Mas essa é apenas a mais básica das características exigidas para uma força de vendas motivada e eficaz. Para se destacar nessa área, é preciso ter o ‘tino’ de vendedor, uma boa dose de capacitação e orientação, boas motivações e algumas outras características essenciais.

Entre essas “outras” exigências está a necessidade de persuasão, responsável por produzir no vendedor a necessidade suficiente para o fechamento de uma venda personalizada. Indivíduos com essa característica gostam de ouvir o ‘sim’ das pessoas. Outra característica é a orientação para o atendimento, que nada mais é do que a capacidade que o profissional possui para atender clientes. Pessoas com essa qualidade preferem ouvir o “muito obrigado” dos seus interlocutores.

É importante frisar que a predominância de uma ou outra dessas características, ligadas à persuasão e ao atendimento, define o perfil mais adequado para o tipo de tarefa em vendas a ser realizada. Se a empresa necessita aumentar o volume dos pedidos, o melhor perfil são os profissionais com maior poder de persuasão. Se a empresa necessita manter clientes e realizar um bom pós-vendas, o melhor perfil são os profissionais com orientação para o atendimento. Nos dias atuais, as companhias necessitam das duas tarefas, tanto a realização da venda como a manutenção, logo precisam dos dois perfis de profissionais.

Profissionais cautelosos possuem uma espécie de bússola que os orienta na direção de compreender o momento certo de recuar e prosseguir. Essa característica pode ser interna e externa. As pessoas que necessitam de regras externas colocadas por outros para definir o que deve ser feito e como fazer são os ‘bons soldados’ que só fazem o que lhes mandam. Os indivíduos de cautela interna necessitam de pouca interferência gerencial, são proativos e dados aos detalhes. Infelizmente, os gerentes gostam mais dos ‘bons soldados’ e por esse motivo costumam errar nas contratações.

Pessoas determinadas não se incomodam com a rejeição e com as negativas comuns para quem trabalha com vendas. O vendedor que sabe persuadir precisa dessa característica para superar dificuldades e seguir em frente em busca de novas alternativas e estratégias para obter êxito. Pelas exigências da profissão, é claro que nem todo mundo nasceu para ser vendedor. Sem as características essenciais é muito difícil desempenhar a função com bons resultados. Por isso os gestores precisam estar bem atentos na hora de contratar.

21/05/2009 Posted by | Uncategorized | | 1 Comentário

“Morar mais por Menos – o chique que cabe no bolso” é pioneira em sustentabilidade

A mostra de decoração também utiliza conceitos como brasilidade, inclusão social, acessibilidade e preço exposto em 40 ambientes

Por Carla Santana

 

Criativos projetos de arquitetura e decoração ao alcance dos olhos, das mãos e do bolso. Ponto de encontro do que há de mais novo na área. Lugar de fechar bons negócios e conhecer tendências. Móveis e objetos inovadores a preços competitivos. Novos talentos e profissionais experientes, reconhecidos pela qualidade do seu trabalho. Pioneirismo em sustentabilidade. Preocupação ambiental, social e econômica. Cultura, lazer, gastronomia e diversão. Tudo isso e muito mais reunido em um único endereço: Rua Senta Pua, 29, Ondina. É onde fica a surpreendente casa da edição 2009 da mostra “Morar Mais por Menos – o chique que cabe no bolso”, em Salvador. O evento reúne 40 ambientes inéditos assinados por mais de 50 profissionais, entre arquitetos, designers e paisagistas.

 “A mostra nasceu no Rio de Janeiro há seis anos, está presente em oito capitais brasileiras, mas só agora sua proposta começou a ser conhecida e valorizada pelos baianos. Ainda bem que isso aconteceu”, comemora a nova franqueada da exposição na Bahia, Renata Barcellos que, ao lado do seu sócio, Murillo Castanheira, congregou bons profissionais e parceiros para otimizar a exposição deste ano. O evento estará aberto ao público  a partir de 19 de maio, de  terça a domingo, das 15 às 21 horas.

Em meio à atual crise econômica internacional, as pessoas percebem mais facilmente que o desperdício está fora de cogitação e aderem à economia de recursos. “A filosofia da “Morar Mais por Menos” está atenta a isso. Por isso, todos os participantes têm a missão de expor projetos inéditos, criativos e com diversidade não apenas de estilo, mas também de preço”, aponta Renata. No evento, o visitante encontra ambientes funcionais elaborados a partir de produtos e materiais originais, com excelente relação custo-benefício e preços expostos. Todos os projetos e produtos estarão à venda.

A “Morar Mais” revela que projetos de decoração e arquitetura podem estar à disposição de diferentes faixas de renda e mostra que, com a ajuda de um profissional – arquiteto, designer ou paisagista, é possível descobrir os melhores endereços, produtos e preços. Além disso, a imagem do arquiteto como um profissional voltado apenas para as elites é desmistificada. “Na verdade, nos últimos anos, os escritórios de arquitetura e design passaram a contar não só com grandes projetos, mas também com um número cada vez maior de obras de pequeno porte”, destaca a franqueadora da mostra na Bahia.

 

CONCEITOS

 

Um dos grandes diferenciais da mostra é a aplicação de conceitos atuais e funcionais. São eles: sustentabilidade, brasilidade, preço exposto, acessibilidade, interatividade e inclusão social.  “Todos podem ser conferidos de perto na mostra”, garante Renata.

A Sustentabilidade está presente no evento desde sua primeira edição. A apresentação de soluções ecologicamente corretas está , por exemplo, na poltrona feita com pneu de caminhão (criada pelo artista Gilson Cardoso) no “Quarto do Rapaz”, assinado pela arquiteta Isabelle Ladeia e pela designer de interiores Lenise Ladeia. O espaço também conta com um pendente de garrafas PET sobre a escrivaninha e uma escultura de cocos secos e verdes.

O conceito de Brasilidade é justificado pela valorização do vocabulário, já que ao invés de utilizar expressões estrangeiras da moda como lounge, loft, living, closet e home theater, o evento identifica os ambientes em português claro: sala da família, quarto de vestir, sala de estar, quarto do rapaz, espaço da noiva. Além disso, muitos participantes lançam mão de elementos genuinamente brasileiros para decorar seus espaços.

Todas as peças e projetos em exposição têm seu Preço Exposto. Cada ambiente apresenta uma relação dos produtos expostos, seus fabricantes, telefones e preços, assim como o custo total de cada espaço. “Por isso ela é conhecida pelo Brasil como “a mostra que vende”. Isso aproxima os visitantes daquilo que eles estão vendo. Tanto que eles podem preencher um formulário no próprio evento e fazer sua encomenda de qualquer produto na hora”, detalha a supervisora comercial da mostra, Laura Carvalho.

 Permitir que Pessoas com Necessidades Especiais (PNE) participem da mostra e tenham acesso a todos os ambientes foi um dos motivos que levaram os organizadores do evento a instalar um elevador – decorado pela designer Kaká Bulhosa – na casa de dois pavimentos onde acontece o evento. O conceito de acessibilidade também está presente do Espaço “PNE – Quarto da Idosa”, da arquiteta Luciana Segura. Muitas outras adaptações, como construção de rampas, nivelamento do piso junto à entrada dos ambientes, telefones públicos acessíveis, além de banheiros adaptados, foram necessárias para oferecer conforto e principalmente facilidade de acesso aos visitantes.

Quem visita a mostra “Morar Mais Salvador” pode interagir com diversos ambientes. Esta interatividade proporciona a exploração dos cinco sentidos. Na “Cozinha Experimental” , assinada pelas arquitetas Isadora Moura, Nívea Lins e Carol Cerqueira, não apenas o visual e o paladar, mas também o olfato e o tato são aguçados de forma especial. Outro exemplo de interação é o Espaço RV Cultura e Arte, que permite ao visitante pegar, ler e curtir um acervo de histórias em quadrinhos de quase 20 mil exemplares.

Por fim, a mostra abre espaço para a Inclusão Social. Este conceito nasceu a partir do estabelecimento da parceria entre a franquia e a Fundação Cidade Mãe. Através dela, telas e objetos de decoração produzidos por crianças e adolescentes da instituição serão expostos em um dos espaços da casa. Encomendas poderão ser feitas no local e o lucro beneficiará os próprios artistas mirins. Além disso, algumas crianças terão o privilégio de percorrer as instalações da mostra, a convite dos organizadores. 

 

DIVERSIDADE DE ESTILOS E PROJETOS

 

O Projeto Master da “Morar Mais por Menos – versão 2009” é de autoria da arquiteta Márcia Meccia. A fachada da casa, projetada nos anos 40, e seu estilo “bolo de noiva”, chamam a atenção do visitante em primeira instância. Após passar pela “Entrada principal” decorado com estilo, ele é impactado pela cor utilizada na “Bilheteria” e logo percebe o estilo clássico com toques de contemporaneidade que marca aquele espaço. Na “Garagem Multiuso”, chamam a atenção a sala de TV e o ambiente para apreciação de vinho, reunidos para propor um local de diversão para a família ou para os amigos, com elementos criativos.

Ao passar pela “Escada com Paisagismo” é possível chegar até ambientes interativos como o “Restaurante”, a “Cozinha Experimental” e o “Espaço RV Cultura e Arte”, mix de loja retrô e galeria de histórias em quadrinhos. A “Galeria de Artes” da mostra reúne pinturas, gravuras, esculturas, instalações, arte-postal, vídeo-arte e fotografias de renomados artistas locais. No “Loft” ou, melhor, no “Apartamento do Jovem Executivo” a continuidade dos espaços surpreende a quem está acostumado com muitas divisórias entre os cômodas da casa. Já o “Vestíbulo das Sensações”, a automação de luzes, sons e imagens e os efeitos hi-tech  chamam a atenção de quem visita o ambiente.

À medida que conhece a “Adega”, “Sala de Jantar”, “Sala de Estar”, “Louceiro”, “Cozinha com área de serviço”, “Sala de Almoço”, “Sala da Família”, “Lavanderia”, banheiros (do Casal, dos Filhos, Públicos) e quartos (do bebê, do menino, da menina, do casal e da idosa), o visitante conhece um mundo de possibilidades e soluções que podem ser adaptadas para sua casa. E o melhor é que na própria mostra ele pode ver se determinadas peças e projetos cabem no seu bolso, porque o preço de tudo está exposto.

Se o visitante está na melhor idade, ou se anda de muletas ou cadeira de rodas, nada o impedirá de conhecer a “Praça”, o “Espaço Zen” e o “Espaço da Noiva” porque há um elevador instalado na casa para facilitar seu acesso. Além disso, o Espaço “PNE – Quarto da Idosa” apresenta uma série de adaptações simples e de fácil aplicação que podem interessar muito a este público.

Há, ainda, o Espaço “Chateau NV”, que faz uma homenagem ao Ano da França no Brasil, envolvente pelo seu ar clássico e pelas informações históricas contidas nele. Por fim, na “Escada de Saída” da mostra, é possível contemplar (e encomendar) diversas telas e objetos de decoração produzidos com materiais recicláveis, papel marché e madeiras por crianças atendidas pela Fundação Cidade Mãe. Em todos os ambientes, a diversidade de estilos e possibilidades é enorme. “Só quem visita e gasta um certo tempo para conhecer toda a mostra é capaz de perceber essa multiplicidade presente no evento”, afirma um dos franqueados da mostra, Murillo Castanheira.

Ambiente localizado na Entrada Principal da mostra - assinado por Carolina Bittencourt e Lorna Strand

Ambiente localizado na Entrada Principal da mostra - assinado por Carolina Bittencourt e Lorna Strand

11/05/2009 Posted by | Uncategorized | | 2 comentários

Grupos de corridas, fãs de academia e esportistas de Salvador aderem aos suplementos alimentares


Por Carla Santana

Muitos sabem que a soma de alimentação saudável com prática regular de exercícios físicos é capaz de gerar benefícios enormes – inclusive o emagrecimento ou o aumento da massa muscular. Apesar de grande parte da população baiana continuar sedentária e se alimentando mal, o número de grupos de corridas e de adeptos a academias, caminhadas e outros exercícios tem aumentado em Salvador. Com isso, cresce também a utilização de suplementos alimentares, para complementação da dieta. “Se adquiridos após orientação profissional, essas substâncias podem contribuir bastante para quem tem objetivos específicos em relação ao corpo e à própria saúde”, afirma o presidente da Comissão de Comunicação do Conselho Regional de Nutricionistas, Vanilson Silva.
Segundo Vanilson, as necessidades alimentares de um atleta são diferenciadas em relação às pessoas de hábitos sedentários e variam de acordo com fatores tais como o sexo e a modalidade esportiva praticada. “Mas para estarem bem preparados para as maratonas, os corredores não precisam ter somente uma boa forma física aparente. Não adianta se enganar com anabolizantes, que fazem muito mal e podem até matar. É preciso de preparo alimentar adequado. A orientação de um nutricionista, direcionada à alimentação e à utilização de suplementos, é fundamental“, destaca.
Para um atleta, o consumo frequente de frutas e verduras, além de muito líquido (água, sucos, água de coco, chás) é fundamental. Selecionadas fontes de carboidratos (farinhas integrais) e fontes de gorduras insaturadas (azeite de oliva, óleos de peixe, abacate e sementes oleaginosas) também precisam ser consumidas na quantidade certa. De acordo com Vanilson, “muitos esportistas negligenciam o consumo do carboidrato: ou comem muito pouco ou escolhem fontes erradas, como doces e farinhas refinadas em excesso. As proteínas – sejam de origem vegetal ou animal – também são importantes. De modo geral, a dieta de um atleta é hiperproteica. Além disso, a alimentação precisa ser bem fracionada, no mínimo de três em três horas”.

SUPLEMENTOS
Um nutricionista profissional, através de uma completa anamnese (contempla exames físicos e laboratoriais, observação analítica da alimentação do atleta e de partes de corpo como olhos, língua, cabelo, dentes e unha), detecta a deficiência de certas substâncias na alimentação e orienta quanto aos tipos e quantidades extras de nutrientes adequados para cada pessoa.Os suplementos servem para suprir a falta de carboidratos, vitaminas, proteínas e fibras. A variedade de tipos é enorme, “mas há alguns, como os isotônicos, os emagrecedores e os de proteínas, cuja procura é maior”, afirma Vanilson. Acontece que nem todas as pessoas podem usá-los. Hipertensos, diabéticos, cardiopatas, pessoas com insônia, ansiedade e problemas psíquicos, entre outros, possuem grandes restrições nesse sentido”, diz o membro do Conselho Regional de Nutricionistas, Vanilson Silva.Os isotônicos (combinação de água com eletrólitos) tem a função de complementar a hidratação. Já os suplementos de proteína são utilizados para aumento da massa magra. O mais comum em todo o mundo é o Whey Protein, feito a base de soro de leite. Mas há também os que aproveitam a proteína da clara do ovo (albumina) e da soja. Por seu menor valor biológico, este último tem uma absorção menor pelo organismo. “Mas a proteína da soja previne doenças cardíacas e é de grande valor para outros aspectos da saúde humana”, lembra Vanilson. E completa: “o público que mais adquire as substâncias são os praticantes de musculação. Uma boa alimentação associada aos nutrientes complementares tem um efeito muito melhor do que muitos imaginam para o aumento da massa muscular.
Os suplementos de carboidratos são fontes de energia para o atleta. A que os usuários mais consomem é a maltodextrina, um dissacarídeo de absorção média que deve ser utilizada antes da atividade física. “Já a dextrose, outro sumplemento de carboidrato, é um monossacarídeo de absorção imediata que precisa ser consumido durante ou após o exercício físico”, explica o nutricionista . Outros suplementos que, como os demais, devem ser usados apenas sob orientação profissional, são os estimuladores hormonais. “Há quem os confunda com os anabolizantes, mas trata-se de substâncias ricas em zinco e magnésio (podem ser encontradas naturalmente nas castanhas do Pará e nos peixes) que estimulam a produção de testosterona. Dentro dessa linha, temos ainda o Hormônio do Crescimento, a base de arginina e ornitina”, completa.

EMAGRECEDORES

Nos estabelecimentos onde são encontrados os suplementos, os produtos mais procurados são, sem dúvida, os emagrecedores. “Estes também só podem ser consumidos após uma completa anamnese feita por um profissional, que vai orientar cada pessoa de acordo com suas características e necessidades”, aponta Vanilson Silva. Os principais são os termogênicos, que aceleram o metabolismo, aumentam a temperatura corporal e dão mais disposição para o atleta e o campeão de vendas: óleo de cártamo – que funciona no sentido de reduzir a gordura localizada e o tamanho das células gordurosas. “Mas é preciso ter cautela. Se for usado em excesso (acima de seis vezes ao dia), este óleo ao longo prazo desenvolve diabetes e diminui o colesterol bom (HDL)”, conclui Vanilson, que é formado em nutrição pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB) e pós-graduado em clínica e terapêutica profissional pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Muitos baianos - e brasileiros de modo geral - querem exibir músculos como esses

Muitos baianos - e brasileiros de modo geral - querem exibir músculos como esses

 

30/04/2009 Posted by | Saúde | | 3 comentários